Um quarto dos professores afirma que a perda de sono é significativamente responsável pela redução das suas habilidades, e metade deles admitem faltar ao trabalho ou cometer erros, de acordo com uma sondagem de opinião conduzida pela Ball State University. Pesquisadores entrevistaram 109 professores, gestores e equipe de apoio e encontraram que 43% dormem em média seis horas ou menos por noite. Nos dias letivos 64% disseram que se sentem sonolentos. “Professores sonolento formam um fator de risco alto para promoção de supervisão insuficiente e instrução de aula inferior,” disse Denise Amschler, professora de Fisiologia e Ciência da Saúde de Ball State que trabalhou no estudo. “Eles também relataram uma maior oscilação no humor e formam um grupo de alto risco para problemas de saúde”. Pesquisadores demonstraram que a privação de sono prejudica a capacidade de manter a atenção, a criatividade verbal e comunicação eficaz, o pensamento abstrato, a resolução de problemas criativos e inovação mental, a tomada de decisão para situações inesperadas, o humor e a motivação. O estudo conclui que as escolas precisam providenciar mais assistência, reduzir o estresse de professores e a carga de trabalho através de programas e novas políticas federais administrativas.

Publicado em 11/04/2008 no National Sleep Foudation – http://www.sleepfoundation.org/